O TEMPO DE NATAL

1. Significação deste Tempo. O Tempo de Natal é o intervalo e quarenta dias, entre 25 de dezembro e 2 de fevereiro. Comparando o Advento à subida de uma montanha, chagamos agora a seu cume — Natal — o ponto mais elevado da primeira parte do ano eclesiástico.

Durante doze dias permanecemos nesta altura, com a celebração das duas festas principais deste Tempo: Natal e Epifania ou festa dos Reis. A oitava desta última solenidade é seguida de 6 domingos, número este por vezes diminuído pelo Tempo da Setuagésima que varia conforme a celebração da Páscoa, mais cedo ou mais tarde. Termina o Tempo do Natal com a festa da Purificação de Nossa Senhora, que é o oferecimento de Jesus, no tempo, pelos pecados do mundo e assim este festa já prepara o Mistério da Redenção que é o assunto do ciclo pascal.

Voltemos à festa de Natal. Seu fim é lembrar-nos o nascimento do Salvador e comunicar-nos as graças particulares deste Mistério.

Propter nos homines, et propter nostram salutem descendit de caelis“. Por nossa causa e por nossa salvação desceu do céu (Credo). Sendo e permanecendo verdadeiro Deus, tornou-se verdadeiro homem. Não hesitou em se revestir da forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens e sendo reconhecido pelo exterior como homem. E sendo homem, atrai todo o gênero humano a Si, querendo fazê-lo sua propriedade. Comunica-lhe a filiação de Deus, tornando-se Irmão de todos e dando aos homens a sua vida que é a graça santificante.

Deus factus est homo fieret Deus“. Deus se fez homem para que o homem se tornasse Deus, diz admiravelmente Santo Agostinho.

Enquanto a festa de Natal se ocupa muito mais com o Menino-Deus, no berço, a segunda grande solenidade deste Tempo, a Epifania, descortina novos horizontes. Este Menino é o grande Rei, o Soberano quem vem à terra fundar o seu reino na humanidade, na Igreja, na alma humana. Reis desta vida vem adorar a Criancinha em seu presepe e, neste fato, a humanidade Lhe reconhece a Realeza suprema. Este Menino dominará as nações, pois no fim dos tempos reunirá os seus fiéis num reino celestial, reino de Deus, reino de eterna bem aventurança. A Igreja procura intensificar estes mesmos sentimentos ainda depois da festa, nos domingos seguintes. Adoramos nos Intróitos o poder de Cristo-Rei sobre as criaturas animadas e inanimadas.

2. Quais devem ser as nossas disposições neste Tempo. Para as almas que se unem à vida da Igreja, que jubilosa querentena! Isaías, que durente todo o Tempo do Advento, foi o nosso guia, entoa este cântico de alegria nas suaves matinas de Natal: “Levanta-te, ó Sião, reveste-te de tua força; compõe-te com os vestidos de tua glória, Jerusalém, cidade do Santo; sacode-te do pó, levanta-te, desata a cadeia do teu pescoço, cativa filha de Sião” (Isaísas, LII). E S. Leão, explicando estes brados do profeta, exclama: “Meus caríssimos filhos, nasceu-nos hoje o Salvador; rejubilemo-nos. Para longe todo sentimento de tristeza: eis a aurora da vida. Exulte o Justo, porque a recompensa está perto; o pecador se alegre, eis o perdão; o pagão espere, eis a vida“.

Esta alegria fará nascer em nossos corações profundos sentimentos de gratidão para com Deus pela Encarnação de seu Filho Unigênito, gratidão que se manifestará pelo sincero desejo de desenvolver em nós, pela prática das boas obras, a vida nova que Jesus trouxe ao mundo. Esperemos que ela sempre cresça e também cresça o Cristo em nós. Eis a obra do santo Sacrifício da Missa, pois, o que aconteceu há quase dois mil anos, repete-se ainda hoje: a Encarnação do Verbo divino, seu Nascimento no presepe de Belém. Na santa Missa, na santa Comunhão, une-se Jesus às nossas almas, escondido sob os véus das espécies eucarísticas, como outrora ocultou o esplendor de sua Divindade sob o humilde manto de sua humanidade. Nossa Belém é o altar! Nossa gruta é o tabernáculo! Nosso presepe é a nossa alma! Nela, bem longe do tumulto do mundo, Ele quer, no silêncio e na solidão, “tomar nova forma”; quer ocupá-la, imprimir o sêlo de filha de Deus, transformá-la em Si próprio. A esta alma Deus predestinou “conformar-se com a imagem do Filho de Deus“. E se somos filhos de Deus, também seremos seus herdeiros e co-herdeiros de Jesus Cristo. É assim que não somente comemoramos e celebramos o Natal, como participamos do Nascimento de Jesus Cristo e dos frutos da Redenção da santa Missa, ao pé da Cruz.

3. Particularidades deste Tempo. A alegria deste Tempo manifesta-se por vários modos: a cor violácea dos tempos de penitência é substituída pelos ornamentos brancos, bordados a ouro ou completamente dourados: os órgãos, mudos no Advento, executam as suas mais jubilosas modulações e o Glória in excelsis Deo ressoa de novo, trazendo-nos aos ecos pacíficos do presepe. As medidas estão impregnadas de uma doce e comunicativa alegria, que se prolonga em toda a liturgia deste Tempo. As multidões, numa satisfação expansiva, reúnem-se nos templos, recordando por sua assistência às Matinas de Natal, a sincera piedade de antanho.

O Sacerdote celebra três Missas, em memória da tríplice geração do Verbo, que Santo Tomaz assim explica: eterna no seio do Pai, temporal no da Virgem Santíssima e espiritual em cada um de nós.